quarta-feira, 5 de agosto de 2009

Professor Itinerante

PROFESSOR ITINERANTE
Por Mirtes Sanches

A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais, no Brasil, tem assumido uma posição importante nos debates educacionais. Contudo, apesar dos avanços recentes em termos de legislação e diretrizes pró-inclusão, as experiências nessa direção ainda são pouco disseminadas. Dentre os muitos fatores que obstaculizam a concretização da inclusão escolar, diversos autores têm destacado a ausência, nos cursos de formação de professores, de conteúdos específicos sobre o processo de ensino e aprendizagem das pessoas com necessidades especiais
Neste sentido faz-se necessário uma breve reflexão sobre o ensino itinerante como suporte para a inclusão de alunos com necessidades educacionais especiais em rede regular de ensino, que tem o objetivo de prestar assessoria às escolas regulares que possuem alunos com necessidades especiais incluídos, tendo como atribuição a orientação, pesquisa e produção de materiais pedagógicos necessários ao trabalho com estes alunos. Podemos dizer que o ensino itinerante — composto, preferencialmente, por um professor especialista em Educação Especial — parece representar uma proposta educativa viável como suporte para a educação inclusiva, visto que nem todas escolas dispõem de professores especializados para o atendimento de alunos com diferentes tipos de necessidades especiais.
No primeiro semestre o Atendimento Educacional Especializado, contou com uma professora itinerante que num primeiro momento visitou as escolas, primeiramente para realizar um levantamento dos alunos com deficiência e com dificuldades de aprendizagem. Essas visitas ocorreram em momentos de aula, e nas horas atividades. Num segundo momento foi entregue material teórico como suporte para os professores, além de orientações verbais, pois são muitas as dúvidas.
No segundo semestre, a proposta desse trabalho é que o professor itinerante permaneça nas escolas para atender alguns alunos, aqueles que o corpo docente da escola julgar necessário. Para isso deverá ser realizadas visitas com o objetivo de fazer um levantamento e em seguida determinar o tempo de permanência, possível, visto que todas as escolas deverão ser atendidas. È importante ressaltar que para que esse trabalho alcance sucesso ele demanda de suporte como: transporte e material didático necessário. Outro ponto que merece atenção é o de priorizar as instituições que tem maior número de alunos precisando de apoio.
Devemos informar que o trabalho realizado no primeiro semestre trouxe alguns resultados positivos como por exemplo: identificar alunos que precisavam ser atendidos, esclarecer para os professores alguns pontos em termos legais, como a aprovação automática de alunos com deficiência mental, além da adequação curricular que é de suma importância para que esses consigam êxito. Além desses, o professor itinerante é o elo de ligação entre as escolas regulares e o Atendimento Educacional Especializado.
Diante do acima exposto, acreditamos que esse trabalho deva continuar, sobretudo com o devido suporte de que necessita.

3 comentários:

  1. Perfeitas colocações! Precisamos de maior atenção por parte do governo, escolas e professores em torno de nossos alunos com necessidades educacionais especiais, de olhares mais sensíveis e inquisidores às diversas necessidades destas pessoas, principalmente as crianças. Que este trabalho alcance seu objetivo e abra portas para novas iniciativas e sucesso nesta àrea!

    ResponderExcluir
  2. MIRTES SANCHES GOSTARIA DE SABER COMO ME TORNAR UMA PROFESSORA ITINERANTE,SOU ESTUDANTE DE PEDAGOGIA ULTIMO SEMESTRE, OBRIGADA.

    ResponderExcluir
  3. MIRTES SANCHES GOSTARIA DE SABER COMO ME TORNAR UMA PROFESSORA ITINERANTE,SOU ESTUDANTE DE PEDAGOGIA ULTIMO SEMESTRE, OBRIGADA.

    ResponderExcluir